Prêmio de Sustentabilidade Brasil Brau

Com o mercado cervejeiro brasileiro se expandindo anualmente a passos largos, os padrões de qualidade e exigência vêm crescendo nas diversas fases do processo de produção. E essa qualificação acarreta em uma necessidade quase paradoxal ao setor: ao mesmo tempo em que fica mais difícil se destacar, uma empresa precisa desse reconhecimento para demonstrar que é capaz de oferecer um produto diferenciado.

Não adianta, nesse cenário, apostar em inovações que, por mais tecnológicas ou criativas que sejam, não tenham resultados práticos. Um exemplo foi o Prêmio de Gestão de Negócios em Cerveja, que acontece na Brasil Brau, maior feira de negócios do mercado cervejeiro do país. Na terceira edição da disputa, um júri técnico escolheu vencedores em quatro categorias, enquanto um júri popular elegeu ganhadores para mais duas.

A premiação é voltada para marcas brasileiras que já estão no mercado nos ramos de pesquisa, produção, importação, distribuição, comercialização, comunicação ou consumo de cerveja. Seu objetivo é incentivar a profissionalização da gestão do negócio de cerveja.

No caso da escolha da categoria Design de Embalagens, a iniciativa vencedora foi a Fábrica de Ideias Brasileiras, da cervejaria paulistana Tarantino. O prêmio reconheceu o processo criativo e o resultado final, que tiveram inspiração em uma extensa pesquisa do projeto Entrelinhas Urbanas, em que um artista de cada distrito da capital paulista representa graficamente sua região.

A cervejaria fez uma triagem até chegar aos quatro artistas que pudessem dar às embalagens da marca a pegada urbana desejada. “Uma coisa contemporânea era tudo o que a gente queria, até por sermos a primeira fábrica e produção na cidade de São Paulo”, afirma Gilberto Tarantino, sócio da cervejaria. “Concorremos em 4 categorias, e se fosse escolher uma seria mesmo essa, das embalagens. É uma coisa muito legítima de uma cervejaria urbana”.

Já a Dádiva, marca paulistana eleita pelo júri popular como melhor cervejaria, também passou por um processo de amadurecimento em seu 5 anos de história até chagar a esse ponto. “É muito legal que o reconhecimento tenha vindo pelo voto popular. É um indicador de que o pessoal está gostando do que estamos fazendo, estamos indo para o caminho certo”, comenta Luiza Tolosa, fundadora da Dádiva.

Os mais de 2 mil votos recebidos online, segundo ela, reconhecem a pluralidade e alcance das iniciativas da marca. “Temos dois públicos bem claros que vemos que estamos atendendo nos últimos anos: um que está se aproximando e experimentando a cerveja artesanal agora, e outro mais geek. Temos cervejas mais high end, criativas e um pouco malucas, mas temos a entrada, como IPA, Premium Lager e Munich Dunkel, que são cervejas para todo dia, para todo mundo, para diversas ocasiões”, acrescenta Luiza.

Sustentabilidade reconhecida

Já em categorias mais técnicas, como sustentabilidade, não há espaço para reconhecimento de projetos que não tragam resultados tangentes ao mesmo tempo em que sejam financeiramente viáveis. É o caso da TwinOxide, que implementou o uso do dióxido de cloro como ferramenta de redução do consumo de água, em projeto desenvolvido com a cervejaria Allegra.

“A redução do consumo de água no processo de produção, principalmente em uma cervejaria artesanal, não é uma coisa simples de se alcançar”, avalia Rafael Bianchini, gerente da marca holandesa no Brasil.

A principal dificuldade, conta ele, foi introduzir um sanitizante novo, que dispensa o excesso de água para ter seus resíduos removidos totalmente de tanques e garrafas. “Ele é muito eficaz contra leveduras selvagens, bactérias e biofilmes, mas não interfere nas características da cerveja. Conseguimos eliminar uma etapa de rinsagem, na qual se gasta mais água. É um trabalho simples, mas baseado em alta tecnologia”, finaliza Rafael.

Compartilhe este post